Quem sou eu?
A minha fotografia
Requiem

Pessimista e negativo por natureza, cheio de energia e sempre stressado ou a correr de um lado para o outro. Tenho tendencia a tentar fazer tudo o que me interessa, o que me leva a deixar muitas coisas a meio. Apaixonado pelo Japao e tudo o que com ele esta relacionado.

Ver o meu perfil completo
Etiquetas
Avulso (232)
Blogs (53)
Google (12)
Leituras (28)
MP3 (38)
Parvoeiras (307)
Pensamentos (122)
Refilanços (139)
Free Twitter buttons from languageisavirus.com


Stalkers

A ler
A ler
Na lista de espera
A Arte da Guerra - Sun Tzu

A Conspiração - Dan Brown

A Fórmula de Deus - José Rodrigues dos Santos

A Rapariga que Inventou um Sonho - Haruki Murakami

A Senhora das Especiarias - Chitra Beneju Divakaruni

A Vida de Pi - Yann Martel

Eclipse - Stephenie Meyer

Fernão Mendes Pinto no Japão - Wenceslau de Moraes

Geisha - Liza Dalby

Kimono - Liza Dalby

O Culto do Chá - Wenceslau de Moraes

O Código D'Avintes - Vários Autores

O Direito a Ser Canhoto - Manuel Coelho dos Santos

O Disco de Jade/Os Cavalos Celestes - José Frèches

O Nome da Rosa - Umberto Eco

O Principezinho - Antoine de Saint-Exupéry

O Zen na Arte de Conduzir a Espada - Reinhard Kammer

Olhos Azuis - Jermos Charyn

Sandworms of Dune - Brian Herbert, Kevin J. Anderson

Selected Tales - Edgar Allan Poe

Spirits of the Dead: Tales and Poems - Edgar Allan Poe

The Children of Húrin - J. R. R. Tolkien

The Last Kingdom - Bernard Cornwell

Um Estranho num Terra Estranha - Robert A. Heinlein

Young Samurai: The Way of the Warrior - Chirs Bradford

Zen e a Arte do Tiro com Arco - Eugen Herriger

29 de fevereiro de 2008
Títulos
Já há uns tempos que andava para escrever sobre isto mas por um motivo ou por outro acabou por nunca acontecer.

Ontem no comboio com o Alex (...SUMOL ANANÁS!!!) relembrei-me e até tomei nota para não me esquecer.

Tenho reparado num crescimento de "importância" dos títulos que vão sendo atribuídos a cada um no seu local de trabalho.

Hoje em dia nos comboios temos, em vez de "revisores", "operadores de revisão e venda". Eu não tenho nada contra a profissão, nem contra essa nem contra nenhuma, todas as profissões são válidas e ninguem deve ter vergonha do que faz. Agora o que me faz confusão é porque raio é necessário dar nomes tão "snobs" às coisas...escapa-me o motivo porque alguém decidiu que as pessoas que todos os dias verificam se os passageiros são possuidores de um título de transporte (lá está outro nome enfeitado, na realidade são bilhetes) válido tinha de deixar de ser revisor e passar a ser operador de revisão e venda.

Alguem me consegue explicar?
Uma solitariedade de Requiem
Etiquetas:
0 solitariedades alheias:

Enviar um comentário

Mensagem mais recente
Mensagem antiga
Página inicial
Subscrever: Enviar comentários (Atom)