Quem sou eu?
A minha fotografia
Requiem

Pessimista e negativo por natureza, cheio de energia e sempre stressado ou a correr de um lado para o outro. Tenho tendencia a tentar fazer tudo o que me interessa, o que me leva a deixar muitas coisas a meio. Apaixonado pelo Japao e tudo o que com ele esta relacionado.

Ver o meu perfil completo
Etiquetas
Avulso (232)
Blogs (53)
Google (12)
Leituras (28)
MP3 (38)
Parvoeiras (307)
Pensamentos (122)
Refilanços (139)
Solitariedades passadas
Free Twitter buttons from languageisavirus.com


Stalkers

A ler
A ler
Na lista de espera
A Arte da Guerra - Sun Tzu

A Conspiração - Dan Brown

A Fórmula de Deus - José Rodrigues dos Santos

A Rapariga que Inventou um Sonho - Haruki Murakami

A Senhora das Especiarias - Chitra Beneju Divakaruni

A Vida de Pi - Yann Martel

Eclipse - Stephenie Meyer

Fernão Mendes Pinto no Japão - Wenceslau de Moraes

Geisha - Liza Dalby

Kimono - Liza Dalby

O Culto do Chá - Wenceslau de Moraes

O Código D'Avintes - Vários Autores

O Direito a Ser Canhoto - Manuel Coelho dos Santos

O Disco de Jade/Os Cavalos Celestes - José Frèches

O Nome da Rosa - Umberto Eco

O Principezinho - Antoine de Saint-Exupéry

O Zen na Arte de Conduzir a Espada - Reinhard Kammer

Olhos Azuis - Jermos Charyn

Sandworms of Dune - Brian Herbert, Kevin J. Anderson

Selected Tales - Edgar Allan Poe

Spirits of the Dead: Tales and Poems - Edgar Allan Poe

The Children of Húrin - J. R. R. Tolkien

The Last Kingdom - Bernard Cornwell

Um Estranho num Terra Estranha - Robert A. Heinlein

Young Samurai: The Way of the Warrior - Chirs Bradford

Zen e a Arte do Tiro com Arco - Eugen Herriger

19 de maio de 2008
Dicionário de Calão Suspenso
Muitas vezes pergunto-me se não estaremos a cair numa situação em que tratamos os mais jovens como atrasadinhos mentais. Ou é isso ou procuramos a explicação mais fácil que nos desculpa a nossa ausência da vida de para quem deveríamos ser os modelos a seguir.

Depois de muita conversa sobre a TV e os jogos de PC promoverem a violência nos jovens acabei de ler no Público (aquele jornal que perdeu parte da credibilidade ao publicar um texto do blog do Sadeek) que o dicionário de calão do site "Tu Alinhas" foi suspenso na sequência de críticas sobre as definições que lá se apresentavam.

Por exemplo definiam "betinho" ou "cocó" como "aquele que não consome droga e, por isso, é considerado conservador, desprezível e desinteressante".

Se calhar sou eu que não me preocupo muito com o futuro dos nossos jovens (se calhar por não ter filhos, não sei), mas não me parece que este tipo de definição vá levar um puto a meter-se nas drogas, é que já no meu tempo havia quem se referisse à malta que não queria entrar nessas ondas com este tipo de expressão e não foi por isso que eu nem nenhuma das pessoas com que me dava enveredou por esses caminhos.

Mas lá está, se calhar sou eu que penso assim e estou errado, ou então são as gerações mais novas que realmente são diferentes da minha e mais susceptíveis a lavagens cerebrais.

A ouvir: Faith No More - Midlife Crisis
Uma solitariedade de Requiem
Etiquetas: ,
5 solitariedades alheias:

vita disse...

Já no meu tempo de menina e moça..(aii que saudades..lol) se usava esses termos.
Não estou a ver um puto dizer "ai chamas-me betinho então vou consumir drogas".
Consumir drogas é um assunto muito mais complicado que não tem a ver com o chamado calão.

19 de maio de 2008 às 18:16
Sadeek disse...

O público, efectivamente, já não é o que era!!!

Olha que há putos que são muito influenciáveis. Que não suportam a pressão de serem chamados "copinho de leite" ou coisas do género. E depois lá vão eles...mesmo contra a sua vontade. Acho que é preciso ensinar, acima de tudo, os putos a terem personalidade forte o suficiente para não se deixarem ir nessas "pressões"... ;)

Abraço

20 de maio de 2008 às 11:26
Requiem disse...

Sem dúvida que há miudos mais influenciáveis e que não suportam a pressão. Mas uma coisa não tem nada a ver com a outra.

A pressão existirá sempre, independentemente das palavras que se usarem, e é aí que devemos investir tempo, em ensinar a resistir a essas pressões e a criar jovens fortes de espírito.

20 de maio de 2008 às 11:33
Cristina disse...

Ó Meu Deus... deixa-me ir ali num instante comprar erva (mas daquela boa, atenção!) - sou uma BETINHAAA!!!

Sadeek, eu usei aparelho quando estava no básico, tinha borbulhas e mais tarde comecei a usar óculos... se me deixasse influenciar, tinha-me suicidado antes dos 15 anos, pá! Tudo depende do suporte familiar e da educação/informação que recebem para não alinhar em esquemas manhosos!

Beijooossss

20 de maio de 2008 às 13:59
Sadeek disse...

Certo...a pressão existirá sempre, sejam quais forem as palavras. O truque realmente está em ensinar os putos a terem personalidade forte... ;)

Menina Cristina...lá está...tu tiveste personalidade para aguentar isso...há quem não tenha!

Mas isso...são as contingências da vida...eheheh

BEIJOOOOOOOS E ABRAÇO

21 de maio de 2008 às 12:17
Enviar um comentário

Mensagem mais recente
Mensagem antiga
Página inicial
Subscrever: Enviar comentários (Atom)