Quem sou eu?
A minha fotografia
Requiem

Pessimista e negativo por natureza, cheio de energia e sempre stressado ou a correr de um lado para o outro. Tenho tendencia a tentar fazer tudo o que me interessa, o que me leva a deixar muitas coisas a meio. Apaixonado pelo Japao e tudo o que com ele esta relacionado.

Ver o meu perfil completo
Etiquetas
Avulso (232)
Blogs (53)
Google (12)
Leituras (28)
MP3 (38)
Parvoeiras (307)
Pensamentos (122)
Refilanços (139)
Solitariedades passadas
Free Twitter buttons from languageisavirus.com


Stalkers

A ler
A ler
Na lista de espera
A Arte da Guerra - Sun Tzu

A Conspiração - Dan Brown

A Fórmula de Deus - José Rodrigues dos Santos

A Rapariga que Inventou um Sonho - Haruki Murakami

A Senhora das Especiarias - Chitra Beneju Divakaruni

A Vida de Pi - Yann Martel

Eclipse - Stephenie Meyer

Fernão Mendes Pinto no Japão - Wenceslau de Moraes

Geisha - Liza Dalby

Kimono - Liza Dalby

O Culto do Chá - Wenceslau de Moraes

O Código D'Avintes - Vários Autores

O Direito a Ser Canhoto - Manuel Coelho dos Santos

O Disco de Jade/Os Cavalos Celestes - José Frèches

O Nome da Rosa - Umberto Eco

O Principezinho - Antoine de Saint-Exupéry

O Zen na Arte de Conduzir a Espada - Reinhard Kammer

Olhos Azuis - Jermos Charyn

Sandworms of Dune - Brian Herbert, Kevin J. Anderson

Selected Tales - Edgar Allan Poe

Spirits of the Dead: Tales and Poems - Edgar Allan Poe

The Children of Húrin - J. R. R. Tolkien

The Last Kingdom - Bernard Cornwell

Um Estranho num Terra Estranha - Robert A. Heinlein

Young Samurai: The Way of the Warrior - Chirs Bradford

Zen e a Arte do Tiro com Arco - Eugen Herriger

5 de maio de 2008
Operação STOP
Uma destas noites a chegar a casa vi algo que me deixou preocupado.

Não era muito tarde ainda, quase de certeza que ainda não era meia noite, quando passo pela Avenida dos Bons Amigos ali no Cacém onde estava instalada uma operação STOP. Até aqui tudo bem, acho muito bem e não tem nada de preocupante.

Preocupante foi quando vi o aparato dos senhores da PSP, vestidos quase como a força de intervenção, armados até aos dentes. Isso é que me deixou a pensar...será que as coisas andam assim tão mal que seja necessário um aparato tão grande? Será que chegámos a esse nível de insegurança?

A ouvir: Candlemass - Spellbreaker
Uma solitariedade de Requiem
Etiquetas:
0 solitariedades alheias:

Enviar um comentário

Mensagem mais recente
Mensagem antiga
Página inicial
Subscrever: Enviar comentários (Atom)