Quem sou eu?
A minha fotografia
Requiem

Pessimista e negativo por natureza, cheio de energia e sempre stressado ou a correr de um lado para o outro. Tenho tendencia a tentar fazer tudo o que me interessa, o que me leva a deixar muitas coisas a meio. Apaixonado pelo Japao e tudo o que com ele esta relacionado.

Ver o meu perfil completo
Etiquetas
Avulso (232)
Blogs (53)
Google (12)
Leituras (28)
MP3 (38)
Parvoeiras (307)
Pensamentos (122)
Refilanços (139)
Solitariedades passadas
Free Twitter buttons from languageisavirus.com


Stalkers

A ler
A ler
Na lista de espera
A Arte da Guerra - Sun Tzu

A Conspiração - Dan Brown

A Fórmula de Deus - José Rodrigues dos Santos

A Rapariga que Inventou um Sonho - Haruki Murakami

A Senhora das Especiarias - Chitra Beneju Divakaruni

A Vida de Pi - Yann Martel

Eclipse - Stephenie Meyer

Fernão Mendes Pinto no Japão - Wenceslau de Moraes

Geisha - Liza Dalby

Kimono - Liza Dalby

O Culto do Chá - Wenceslau de Moraes

O Código D'Avintes - Vários Autores

O Direito a Ser Canhoto - Manuel Coelho dos Santos

O Disco de Jade/Os Cavalos Celestes - José Frèches

O Nome da Rosa - Umberto Eco

O Principezinho - Antoine de Saint-Exupéry

O Zen na Arte de Conduzir a Espada - Reinhard Kammer

Olhos Azuis - Jermos Charyn

Sandworms of Dune - Brian Herbert, Kevin J. Anderson

Selected Tales - Edgar Allan Poe

Spirits of the Dead: Tales and Poems - Edgar Allan Poe

The Children of Húrin - J. R. R. Tolkien

The Last Kingdom - Bernard Cornwell

Um Estranho num Terra Estranha - Robert A. Heinlein

Young Samurai: The Way of the Warrior - Chirs Bradford

Zen e a Arte do Tiro com Arco - Eugen Herriger

25 de junho de 2008
Mães...
Esta mandou-me uma amiga minha. Não tenho por hábito meter aqui coisas assim a atirar para o "fofinho", mas fartei-me de rir com esta...

Caminhava com a minha filha de 4 anos, quando ela apanhou qualquer coisa do chão e ia pôr na boca.

Ralhei com ela e disse-lhe para nunca fazer isso.

-Mas porquê? - perguntou ela.

Respondi que se estava no chão estava sujo e cheio de microbios. Nesse momento, a minha filha olhou-me com admiração e perguntou:

- Mamã, como sabes tudo isso? És tão inteligente...

Rapidamente refleti, e respondi-lhe:

- Todas as mamãs sabem estas coisas. Quando alguem quer ser mamã, tem que fazer um teste e tem que saber todas estas coisas, se não não pode ser mamã. Caminhámos em silêncio cerca de 2, 3 minutos. Vi que ela pensava ainda sobre o assunto, e de repente disse:

- Ah, já percebi. Se não passasses o teste, tu eras o papá.

Exactamente, respondi com um grande sorriso na boca.
Uma solitariedade de Requiem
Etiquetas:
24 solitariedades alheias:

Cristina disse...

Hahahahahaha... a garota é muitooooo boa!!! :)

Realmente, os cachopos são qualquer coisa de fenomenal. :)

25 de junho de 2008 às 12:28
Requiem disse...

Eu farto-me de rir com as historias que a minha irmã me conta dos miudos dela (ela é professora do 1º ciclo).

25 de junho de 2008 às 12:31
Djinn disse...

Realmente os miúdos têm coisas giras!

25 de junho de 2008 às 12:38
Requiem disse...

Coisas muito giras mesmo. Qualquer dia meto aqui meia duzia delas...

Tipo, as perninhas ou um bracinho...

AH AH AH AH AH AH (riso maléfico)

25 de junho de 2008 às 12:41
Djinn disse...

Posso contar uma muito muito escandalosa se permitires...que aconteceu com uma amiga minha!
:P:P

25 de junho de 2008 às 12:43
Requiem disse...

Conta, conta...ou mete no teu blog para ter mais visibilidade :P :P :P

25 de junho de 2008 às 12:43
Joaninha disse...

Esta história aconteceu ao meu amigo Krippmeister, é adorável!!

Um belo dia, estavam os sobrinhos a brincar e chegam ao pé dele e dizem:
-Isto é uma arma que te vai deixar paralisado!!. - apontando um marcador, o krippmeister cai imediatamente imobilizado.
De seguida o sobrinho seguinte diz para o tio, que está devidamente imobilizado:
-Isto é uma arma que te vai matar!!!
E o Kripp faz aquela cara de pateta que todos os tios fazem antes de “morrerem” e dá-se como morto.
Os dois catraios cheio de felicidade correm para junto da avó e exclamam:
-Avó, Avó matamos o teu filho!!!

Há coisas lindas não há?

25 de junho de 2008 às 12:45
lalisca.cs-life disse...

Assino em baixo!!
beijo

25 de junho de 2008 às 14:12
Anónimo disse...

Essa está muito boa eh eh eh:D

Bjinho da "MOI":)

25 de junho de 2008 às 14:41
Sadeek disse...

Senhores....Requiem...não havia necessidade....HAHAHAH

25 de junho de 2008 às 14:59
Tinta Permanente disse...

Que raciocínio! Não sei o que dizer ...
Bj

25 de junho de 2008 às 16:08
vita disse...

A inocência no seu melhor.;)

25 de junho de 2008 às 16:46
Cristina disse...

Vita, não sei se é inocente!! Olha que o raciocínio é qualquer coisa de fenomenal!

25 de junho de 2008 às 17:18
Djinn disse...

Então cá vai:
A amiga desta minha amiga foi certo dia a um banco tratar de um assunto e levou o seu adorado rebento que teria cinco anos com ela.
Depois de estarem na fila um bom bocado, o miúdo começou a tornar-se irrequieto, e a querer sair para a rua.
A mãe como boa mãe repreendeu-o ao que miúdo respondeu alto e bom som:

- Oh mãe se não me deixas ir lá para fora eu conto às pessoas que tu disseste para não dizer que te apanhei com a pila do pai na boca!

Escusado será mencionar o silêncio que se abateu sobre no referido banco, dos olhares a que a dita senhora foi sujeita, e de como em dois segundos saiu porta fora arrantando pelo braço, a pobre «criancinha»....

Isto é a história verídica!!!
E esta hem?!

25 de junho de 2008 às 20:13
NI disse...

Toma lá e embrulha.

Ahahahahahahahah

Chiça...


Nota - Eu tenho algumas bem jeitosas das minhas filhas, mas como esta...

25 de junho de 2008 às 21:11
Requiem disse...

As crianças são o melhor que temos, sem dúvida... ;)

25 de junho de 2008 às 22:43
LNeves disse...

ahahhaaha os putos são demais.... saem-se com cada uma :PP

***MUAH**

26 de junho de 2008 às 01:24
Cristina disse...

Djinn... fiquei perplexa!!!! Essa é assim uma coiiiiisssssaaaa!! HAHAHAHA

26 de junho de 2008 às 09:16
Djinn disse...

Cristina: De facto quando me contaram achei que era piada...até ter conhecido as personogens...
Acho que não tinha coragem de voltar àquele banco!! eheheheh

26 de junho de 2008 às 12:50
Bombocaa disse...

AHAHAHAHAHHA
aiiiiiii algo q me faça rir...fogo...eu ja tive alguns embaraços...mas eu desculpo-me sempre...afinal sobrinhos n são filhos
ahahahaha
pila na boca...uaiii e q mal tem?!
Em x de se rirem todos...ficou td foi com inveja...:)

26 de junho de 2008 às 12:52
Abobrinha disse...

Djinn

O puto fez mais pelo incremento da natalidade que muitas medidas burocrático-estupidificantes: provou por a+b que ter filhos não é o fim de uma vida sexual activa e cheia de riscos. Simplesmente um risco é o puto apanhar os pais com a boca na botinha (mmmm... engraçado... nunca lhe tinha chamado botija!).

Dito isto, se fosse filho meu ficava de castigo para o resto da vida!

26 de junho de 2008 às 14:31
Djinn disse...

Abobrinha: Eheheheh desculpa lá e o «risco» falo com conhecimento de causa ;) às vezes é muitooooooo bom eheheeh ;);)

27 de junho de 2008 às 10:00
Abobrinha disse...

Djinn

Só desculpo se me contares alguns desses riscos. De preferência no meu estaminé.

Sabes, é que uma rubrica que tinha no meu estabelecimento era o "consultório sexual"... foi um sussexo, mas fechou temporariamente por falta de freguesia. Mas está sempre a tempo de reabrir!

Aliás, o meu tasco está muito asséptico! TEnho que abadalhocar aquilo!

27 de junho de 2008 às 12:15
Requiem disse...

Minhas senhoras...isto é um blog decente...

Vamos lá a parar de falar de pilas... ;)

27 de junho de 2008 às 20:22
Enviar um comentário

Mensagem mais recente
Mensagem antiga
Página inicial
Subscrever: Enviar comentários (Atom)