Quem sou eu?
A minha fotografia
Requiem

Pessimista e negativo por natureza, cheio de energia e sempre stressado ou a correr de um lado para o outro. Tenho tendencia a tentar fazer tudo o que me interessa, o que me leva a deixar muitas coisas a meio. Apaixonado pelo Japao e tudo o que com ele esta relacionado.

Ver o meu perfil completo
Etiquetas
Avulso (232)
Blogs (53)
Google (12)
Leituras (28)
MP3 (38)
Parvoeiras (307)
Pensamentos (122)
Refilanços (139)
Free Twitter buttons from languageisavirus.com


Stalkers

A ler
A ler
Na lista de espera
A Arte da Guerra - Sun Tzu

A Conspiração - Dan Brown

A Fórmula de Deus - José Rodrigues dos Santos

A Rapariga que Inventou um Sonho - Haruki Murakami

A Senhora das Especiarias - Chitra Beneju Divakaruni

A Vida de Pi - Yann Martel

Eclipse - Stephenie Meyer

Fernão Mendes Pinto no Japão - Wenceslau de Moraes

Geisha - Liza Dalby

Kimono - Liza Dalby

O Culto do Chá - Wenceslau de Moraes

O Código D'Avintes - Vários Autores

O Direito a Ser Canhoto - Manuel Coelho dos Santos

O Disco de Jade/Os Cavalos Celestes - José Frèches

O Nome da Rosa - Umberto Eco

O Principezinho - Antoine de Saint-Exupéry

O Zen na Arte de Conduzir a Espada - Reinhard Kammer

Olhos Azuis - Jermos Charyn

Sandworms of Dune - Brian Herbert, Kevin J. Anderson

Selected Tales - Edgar Allan Poe

Spirits of the Dead: Tales and Poems - Edgar Allan Poe

The Children of Húrin - J. R. R. Tolkien

The Last Kingdom - Bernard Cornwell

Um Estranho num Terra Estranha - Robert A. Heinlein

Young Samurai: The Way of the Warrior - Chirs Bradford

Zen e a Arte do Tiro com Arco - Eugen Herriger

23 de julho de 2008
Revistas e Racismo
Faz-me confusão que num mundo em que se aposta nos slogans do "todos diferente, todos iguais" e no "não aos guetos" se continue a ver coisas como a que eu descobri hoje.

Ora estava eu muito bem sentado no trono (não perguntem) a folhear uma qualquer revista daquelas que a minha mãe teima em comprar e que realmente só servem para ajudar a passar o tempo no WC quando deparo com publicidade a uma revista que confesso não me recordo do nome mas que se intitulava "A Revista de Beleza para a Mulher Africana" ou algo muito parecido.

Aqui surgiram-me algumas dúvidas.

Se é para mulheres Africanas porque não a lançar em África? É que segundo eu sei, e luta-se por isso, somos todos Portugueses, ou pelo menos queremos ser. Será que eu, apesar de não ser Judeu deverei intitular-me de Judaico só porque tenho, algures no tempo, ascendencia Judaica?

Como é que numa altura em que se luta pela igualdade se continua a promover a desigualdade? Porque é que somos todos iguais mas há cada vez mais a criação de meios para nos distinguirem uns dos outros? Porque é que quem quer ser integrado e luta pela igualdade continua a promover a sua diferença?

Será que se eu criar uma revista "exclusiva" para homens brancos e de cabelos castanhos não serei rotulado de racista e elitista? Ou é preciso ser uma minoria para se poder proclamar que somos diferentes?

E não tendo nada a ver, remetendo-me para os incidentes recentes, porque é que uns são "Ciganos" e outros são "De Origem Africana"?

PS: Peço desculpa se este post soa a racista, não o sou, juro, só me faz confusão certas coisas.
Uma solitariedade de Requiem
Etiquetas:
23 solitariedades alheias:

NI disse...

Assino por baixo.

O racismo é uma realidade e, ao contrário do que se possa pensar, é transversal a toda a sociedade.

23 de julho de 2008 às 11:30
L.M disse...

Requiem,
infelizmente os mais racistas são os próprios de "origem africana".
Tudo é motivo para dizer: "ele fez isto ou aquilo porque sou preto, é racista".
Se eu andar à luta com alguém, se for branco é só mais um luta se for com um "de origem aficana" é porque sou racista e não gosto de pretos, e isto infelizmente parte inicalmente deles.
Por exemplo, no Brasil é punivel por lei chamar de preto ou negro a um preto ou negro, agora tem de se chamar Afro. Ora eu acho que ninguém anda a chamar: "ó tu Europeu anda cá" e os pretos que nascem no próprio Brasil ou aqui em Portugal, são Afros? ou são portugueses ou brasileiros?
Eles próprios criam a descriminação.
Obviamente que não digo que não existam pessoas brancas,(ou europeus?!), que sejam racistas, existem mas muitas das desigualdades partem deles, tal como dizes no post "revista de beleza para a mulher africana".
Enfim, isto tudo para dizer que também a mim me faz confusão estas coisas.
Ah e eu chamo de Preto a amigos que tenho e não é com maldade!!!

Beijos

23 de julho de 2008 às 12:53
lalisca.cs-life disse...

Concordo mas tu sabes que a comunidade africana em Portugal é enorme essa revista promove a beleza africana com conselhos e dicas para mulheres de origem africana, claro que eu não concordo com isso concordo sim quando ver nas bancas uma cosmopolitan com uma negra na capa, quando a abrir e ver dentro dela os tais conselhoes e dicas para a beleza africana "misturados" com os outros conselhos todos. Por isso não compro essa revista nem a vou comprar instiga a uma separação que levamos anos a lutar contra e ainda continuamos a lutar!
beijinhos

23 de julho de 2008 às 16:21
Requiem disse...

NI: Assina mulher...e depois já agora assina aqui este chequezito... :P

LM: És uma racista! Ai de ti se me chamas branco!

Lalisca: Não digo o contrário, não se pode é puxar a corda para os dois lados ao mesmo tempo.

23 de julho de 2008 às 20:55
Djinn disse...

Bem, em primeiro lugar não sou racista. Para dissipar mitos, aconselho vivamente a leitura de um livrinho escrito pelo antropólogo chamada Lévi Strauss e que se chama «Raça e História».
É que o estudo da antropologia e da história por exemplo, coisas q normalmente a malta acha q n serve para nada, serve para nos mostrar que sendo todos diferentes, somos todos iguais...nem melhores nem piores, nem superiores nem inferiores, apenas com evoluções e adaptações ao meio diferentes...

Quanto às barbáries e selvajarias..ha em todas as raças indistintamente.

Segregação? Em todas também...
O mito de que uns são piores ou mais violentos não é real...é fruto da opinião publica da massificação e selecção e manipulação da informação e da estruturação social...

Maus...somos todos.Já sofri uma tentativa de violação. Guess what! Era loirissimo e de olhos verdes!
Portanto...
Uma revista dedicada especificamente à beleza da mulher africana..pergunto escandaloso porquê? É uma especificidade como ser morena ou ruiva ou oriental, e se fizessem uma revista a dar conselhos para mulheres orientais...
Mais do que racismo, e não vi a revista, acho que é mesmo é uma questão de marketing!!!

23 de julho de 2008 às 22:38
Requiem disse...

Lá estão elas...se não é a NI é a Djinn...a levantarem o nível do estaminé.

De qualquer modo tens direito à tua opinião, tal como eu tenho direito À minha e a mim incomoda-me.

23 de julho de 2008 às 22:44
Abobrinha disse...

Requiem

Há várias questões aqui:

1. Estás a falar de gajas! Eu ainda hoje não entendo como não se fazem revistas de beleza para louras e outras para morenas (e olha que aqui a de louras era capaz de vender mais).

Uma vez apanhei uma revista destas e nunca tinha pensado na especificidade das peles e cabelos delas. Tive também uma amiga africana (de África) e não me dei conta de coisas como a dificuldade de elas se pentearem. É que têm que se pentear umas às outras!

2. Toda a gente tem que sentir as raízes. Nós não estamos habituados a olhar em volta e pensar que todos são como nós. Só por ter dito "nós" e assumir que somos todos brancos a ler o teu tasco podes ver até que ponto as tuas raízes são garantidas. Eu não sei o que é estar desenraizado e sentir que sou diferente. Porque sou diferente e os outros me fazem sentir diferente, pelo que compreendo a necessidade de uma busca de África como origem. Embora não se pretenda para lá ir.

3. O politicamente correcto. Isso sim é parvoíce! Quando os americanos optaram pelo "african-american", "native american" e "physically challenged" nunca pensei que colasse! Mas colou, o que é um disparate. De novo vê-se que a norma é o branco europeu: não há "white american" porquê? Às vezes pensar pela negativa é útil.


Mas relaxa: o resultado desta revista é gajas bonitas!

23 de julho de 2008 às 23:13
Djinn disse...

Em matéria de racismo a mim incomoda-me coisas bem mais sérias que uma revista dedicada à beleza da mulher africana...mas cada gosto seu paladar...

23 de julho de 2008 às 23:17
Requiem disse...

Tu escreveste isso tudo...e eu li:

blah blah blah...gajas...blah blah blah...umas às outras...blah blah blah...bonitas

23 de julho de 2008 às 23:18
Requiem disse...

Djinn...eu não disse que outras coisas não me preocupavam.

Apenas acho que podemos começar pelas pequenas...

23 de julho de 2008 às 23:20
Abobrinha disse...

Gajos! Só pensam numa coisa!

Atenção que não estou a deitar defeitos!

23 de julho de 2008 às 23:20
Abobrinha disse...

Djinn

Quase tudo o que diz respeito a racismo me incomoda.

Por exemplo, desde pequenina que ouvia "os pretos só são boas a coisas fáceis: desporto e música". Pergunta: se são assim fáceis, porque é que os brancos não dominam?

E isso porque não falamos em chineses e indianos. Como a ideia peregrina de que o planeta está a aquecer porque os chineses e os indianos começaram a crescer e a viver bem... ... ... como é, só os brancos europeus e americanos é que têm direito a viver bem? OU escravatura foi história e foi só com pretos?

23 de julho de 2008 às 23:24
Abobrinha disse...

Eu acho a Men's Healh racista: a capa tem sempre a fotografia a preto e branco. E as outras cores, não contam?

Fora isso é um bocadinho gay a capa!

23 de julho de 2008 às 23:26
GATA disse...

Ah, essa dos guetos é gira... especialmente quando TODOS sabemos que são as próprias comunidades que fomentam a auto-exclusão! Por exemplo, os ciganos só casam com ciganos e quem ousar casar com uma pessoa que não seja da etnia, é expulsa da comunidade! E depois querem inserir-se na socidade?!?!?!

24 de julho de 2008 às 09:27
Abobrinha disse...

Gata

Mas quem é que disse que os ciganos se querem integrar? A maioria deles não quer! É essa a realidade que se tem que ver e não uma imaginada.

E não se pode andar a dar (dar, dado!!) casas a quem depois acampa para pressionar decisões e andar com armas a fazer batalhas campais. Do mesmo modo que não se pode forçar os que são pacíficos a conviver com essa gente.

MAs o que é integração? É um preto fingir que é branco e que vive há gerações em Portugal? Parece-me um disparate. É um preto viver em Portugal e estar sempre a falar de África e como é bom mas não volta porque não pode e não há condições? Não me parece bem, mesmo porque odeio amores impossíveis. Ou será ser africano e português, ter o melhor dos dois e contribuir com todo o amor para o melhor dos dois mundos? Como os emigrantes portugueses em França? Ou atletas olímpicos de origem africana que temos, um dos quais sem ligação colonial nenhuma a Portugal?

24 de julho de 2008 às 10:30
GATA disse...

ABOBRINHA, não concordo com a doação de casas a NINGUÉM! Porque eu, se quiser uma casa, tenho que pedir empréstimo a um banco!

E o que referes ("é um preto viver em Portugal e estar sempre a falar de África e como é bom mas não volta porque não pode e não há condições?") ouço eu várias vezes... e não gosto! É-me indiferente a cor, a nacionalidade, etc... mas não gosto de ouvir pessoas a quem Portugal deu uma oportunidade estar sempre "morder a mão que lhes deu de comer"!

24 de julho de 2008 às 10:58
Abobrinha disse...

Gata

Não vejo a dignidade de mandar pessoas viver debaixo da ponte. Ou seja, é preciso solidariedade social... para quem dela precisa!

Contudo a classe média está a perder casas porque se endividou demais e as condições económicas se degradaram. E pagou para essas habitações sociais. Daí que haja essa revolta perfeitamente fundamentada. Mesmo porque os mecanismos cegos de atribuições de casas a supostas pessoas que têm delas necessidade não são ágeis para responder aos novos casos de emergência social. Ou nem existem. Tem outra: só o mexilhão é que paga para esses apoios sociais, porque bancários e outros não pagam. E isso não deve sequer ser constitucional. E se é, não devia!

Não subscrevo o "não há casas para ninguém", mas também acho que quem deu (dada!) uma casa a quem tinha uma barraca com carro à porta e televisão por satélite devia ser responsabilizado.

Saber que 30% dos pobres têm emprego é preocupante e faz pensar que algo de muito errado se passa e ninguém parece olhar para isso com olhos de ver.

24 de julho de 2008 às 11:56
Abobrinha disse...

E os exemplos que eu dei são precisamente de quem está grato e/ou simplesmente acha natural ser português (com mais cor). Mas há mais desses. O queixar, estranhamente, é tipicamente português, por isso esses que se queixam são mais portugueses do que pensam.

24 de julho de 2008 às 11:59
Abobrinha disse...

Requiem

Estás lixado! É o que dá fazer um post destes!

Para a próxima escolhe uma figura da revista, que o pessoal comenta a celulite e o penteado e não a integração.

24 de julho de 2008 às 12:00
Djinn disse...

Abobrinha: Só posso e só gosto de avaliar situações sobre as quais detenho informação directa ou esteja na posse de fonte em primeira mão.
Apenas por um título não posso avaliar o conteúdo, e julgar de imediato que existe racismo, poderá haver apenas direccionamento para um público alvo o que é algo bastante diferente.
Poderá ser defeito de formação mas evito ao máximo fazer juízos de valor sobre questões que para mim não estão suficientemente clarificadas...

24 de julho de 2008 às 23:50
Requiem disse...

Mas vocês param com os comentários inteligentes?

Tou aqui tou a fazer posts sobre o emagril outra vez :P :P

24 de julho de 2008 às 23:53
Djinn disse...

Quem manda tratar de assuntos polémicos?! Para a próxima não te lembres sequer de postar qq coisa sobre o conflito israelo-palestiniano ok? :P:P:P:P

24 de julho de 2008 às 23:58
Requiem disse...

Hmmmmm? Com o bairro da Quinta da Fonte quem é que precisa de israelitas e palestinianos?

São meninos comparados com os nossos!

24 de julho de 2008 às 23:59
Enviar um comentário

Mensagem mais recente
Mensagem antiga
Página inicial
Subscrever: Enviar comentários (Atom)