Quem sou eu?
A minha fotografia
Requiem

Pessimista e negativo por natureza, cheio de energia e sempre stressado ou a correr de um lado para o outro. Tenho tendencia a tentar fazer tudo o que me interessa, o que me leva a deixar muitas coisas a meio. Apaixonado pelo Japao e tudo o que com ele esta relacionado.

Ver o meu perfil completo
Etiquetas
Avulso (232)
Blogs (53)
Google (12)
Leituras (28)
MP3 (38)
Parvoeiras (307)
Pensamentos (122)
Refilanços (139)
Solitariedades passadas
Free Twitter buttons from languageisavirus.com


Stalkers

A ler
A ler
Na lista de espera
A Arte da Guerra - Sun Tzu

A Conspiração - Dan Brown

A Fórmula de Deus - José Rodrigues dos Santos

A Rapariga que Inventou um Sonho - Haruki Murakami

A Senhora das Especiarias - Chitra Beneju Divakaruni

A Vida de Pi - Yann Martel

Eclipse - Stephenie Meyer

Fernão Mendes Pinto no Japão - Wenceslau de Moraes

Geisha - Liza Dalby

Kimono - Liza Dalby

O Culto do Chá - Wenceslau de Moraes

O Código D'Avintes - Vários Autores

O Direito a Ser Canhoto - Manuel Coelho dos Santos

O Disco de Jade/Os Cavalos Celestes - José Frèches

O Nome da Rosa - Umberto Eco

O Principezinho - Antoine de Saint-Exupéry

O Zen na Arte de Conduzir a Espada - Reinhard Kammer

Olhos Azuis - Jermos Charyn

Sandworms of Dune - Brian Herbert, Kevin J. Anderson

Selected Tales - Edgar Allan Poe

Spirits of the Dead: Tales and Poems - Edgar Allan Poe

The Children of Húrin - J. R. R. Tolkien

The Last Kingdom - Bernard Cornwell

Um Estranho num Terra Estranha - Robert A. Heinlein

Young Samurai: The Way of the Warrior - Chirs Bradford

Zen e a Arte do Tiro com Arco - Eugen Herriger

29 de agosto de 2008
A arte de fingir que não aconteceu nada
Acabei de regressar do almoço, onde tive a honra e o privilégio (maldita palavra que nunca sei como se escreve) de assistir a um dos mais belos exemplos da arte de fingir que não aconteceu nada.

Entro na pastelaria para comer qualquer coisa (sim, porque aqui onde estou ou vou ao McDonalds ou como uma sandocha, porque os restaurantes estão tods de férias) e deparo-me com uma anciã em pleno refilanço com os empregados.

"Mas cobrou-me o pastel de nata? É que eu não levo aqui o pastel de nata! Eu não tenho o pastel de nata no saco!"


Dito isto, uma das empregadas diz que tinha colocado o pastel de nata no saco. Resultado? A anciã desata em eloquente dissertação sobre o facto de estar a ser enganada (de notar que ainda não se tinha dado ao trabalho de abrir o saco para verificar). De refilanço em refilanço lá ia subindo o tom até que decidiram verificar...e não é que o raio do bolo estava mesmo no saco? Impressionante! Não estava e de repente já estava...um truque digno dos melhores ilusionistas do mundo!

A senhora lá efectua o pagamento, visto que afinal até tinha o pastel de nata no saco e sai da pastelaria.

E é aqui que demonstra todo o requinte da arte do "isto não se passou nada".

É que a porra da velha sai da pastelaria a resmungar:

"Só arranjam confusões. Até parece que gostam de arranjar confusões com as pessoas!"


Juro que por momentos duvidei um pouco da minha sanidade mental...
Uma solitariedade de Requiem
Etiquetas:
18 solitariedades alheias:

Abobrinha disse...

Não sabes que se repetires muitas vezes a mesma coisa e com convicção esta se torna verdade? A senhora tinha carreira política de certeza absoluta!

Aconteceu-me em Inglaterra ir a um mercado, onde as coisas se compravam à unidade. Comprei 10 kiwis, mas o indivíduo só meteu 9 no saco. Perdeu quase 5 minutos a tentar convencer-me de que tinha metido os 10 no saco até que foi obrigado a contá-los... e tinha 9! Para enganar um tuga ainda é preciso comer alguma broa!

29 de agosto de 2008 às 14:26
Requiem disse...

Cá para mim daqui a uns anos ainda te apanho numa pastelaria a discutir por causa de um pastel de nata! :P :P :P

29 de agosto de 2008 às 14:28
Abobrinha disse...

E dás-me um cigarro a ver se eu me calo ou uma paulada? Oh diabo! Eu não fumo...

29 de agosto de 2008 às 14:30
Requiem disse...

Pois...lá terá de ser à paulada!!! :P :P :P

29 de agosto de 2008 às 14:33
Noiva Judia disse...

Caro Requiem, a explicação, receio bem, é mais mundana... Aposto que um dos funcionários da pastelaria deve ter aprendido uns truques de ilusionismo durante o Festival de Magia de Rua, que se realizou agora precisamente na Baixa... Vai na volta, a velhota tinha razão e de início o pastel de nata não estava no saco. Foi lá parar por... magia! ;)

29 de agosto de 2008 às 14:35
Requiem disse...

Parece-me que sim Noiva...e também me quer parecer que é capaz de estar na hora das tua ampolas :P :P :P

29 de agosto de 2008 às 14:40
Abobrinha disse...

Que ampolas? Um bagacinho é que ia bem! Kosher, que deve haver (sei que há vinho!)! Acompanhado de uma nata!

29 de agosto de 2008 às 14:43
Tinta Permanente disse...

Estás em todas ! Confusões é contigo ! lol

Ah! e pode ser um kosher para mim também ! :D

29 de agosto de 2008 às 14:53
Requiem disse...

Abobrinha: Alinho no bagaço!!!

Tinta: E não sou eu que as procuro...são elas que vêm ter comigo...

29 de agosto de 2008 às 14:56
Noiva Judia disse...

oh pá... achas-me um caso clínico assim tão sério? mas se as ampolas forem de ginjinha, marcham já, para desmoer o almoço ;) nem precisam de ser kosher!

29 de agosto de 2008 às 15:06
Sadeek disse...

Estas empregadas até metem nojo pá! Não há respeito pelos cabelos brancos dos velhos...este País atravessa uma crise de valores que é qualquer coisa....AHAHAHA

29 de agosto de 2008 às 15:11
Anuska disse...

lolololol a culpa foi da empregada que colocou o pastel de nata no saco sem a velhota ver lololol andam a tentar enganar os idosos mas eles são mais espertos ;P

29 de agosto de 2008 às 15:20
Requiem disse...

Noiva: Não ligues...são reflexos da minha insanidade...ginginha? BORA!!!

Sadeek: Eu sei pá, fiquei com vonteade de esbofetear a estúpida da empregada!!!

Anuska: Estes empregados acham que a sabem toda... :P

29 de agosto de 2008 às 15:27
Djinn disse...

Bem...tu sais com cada história mais fenomenal uma que a outra...

29 de agosto de 2008 às 17:04
Requiem disse...

E não invento nada...imagina lá se me desse para começar a inventar coisas... :P

29 de agosto de 2008 às 17:22
mik@ disse...

DISTÂNCIA dessa gente... ah pernas pra que vos quero....

30 de agosto de 2008 às 14:55
sessaoexperimental disse...

AHAHAHAH muito tipico do tuga !!!!

Fez-me lembrar ontem em que ia batendo no carro de uma senhora que resolveu sair da sua posição de estacionada sem olhar....buzino e ainda levo com as reclamações da mulher "não vê que estou a tirar o carro?" ...dassss....ahahahah

Abração!

31 de agosto de 2008 às 13:19
Requiem disse...

A senhora tinha razão...ela estava a tirar o carro ou não? :P

31 de agosto de 2008 às 13:34
Enviar um comentário

Mensagem mais recente
Mensagem antiga
Página inicial
Subscrever: Enviar comentários (Atom)