Quem sou eu?
A minha fotografia
Requiem

Pessimista e negativo por natureza, cheio de energia e sempre stressado ou a correr de um lado para o outro. Tenho tendencia a tentar fazer tudo o que me interessa, o que me leva a deixar muitas coisas a meio. Apaixonado pelo Japao e tudo o que com ele esta relacionado.

Ver o meu perfil completo
Etiquetas
Avulso (232)
Blogs (53)
Google (12)
Leituras (28)
MP3 (38)
Parvoeiras (307)
Pensamentos (122)
Refilanços (139)
Solitariedades passadas
Free Twitter buttons from languageisavirus.com


Stalkers

A ler
A ler
Na lista de espera
A Arte da Guerra - Sun Tzu

A Conspiração - Dan Brown

A Fórmula de Deus - José Rodrigues dos Santos

A Rapariga que Inventou um Sonho - Haruki Murakami

A Senhora das Especiarias - Chitra Beneju Divakaruni

A Vida de Pi - Yann Martel

Eclipse - Stephenie Meyer

Fernão Mendes Pinto no Japão - Wenceslau de Moraes

Geisha - Liza Dalby

Kimono - Liza Dalby

O Culto do Chá - Wenceslau de Moraes

O Código D'Avintes - Vários Autores

O Direito a Ser Canhoto - Manuel Coelho dos Santos

O Disco de Jade/Os Cavalos Celestes - José Frèches

O Nome da Rosa - Umberto Eco

O Principezinho - Antoine de Saint-Exupéry

O Zen na Arte de Conduzir a Espada - Reinhard Kammer

Olhos Azuis - Jermos Charyn

Sandworms of Dune - Brian Herbert, Kevin J. Anderson

Selected Tales - Edgar Allan Poe

Spirits of the Dead: Tales and Poems - Edgar Allan Poe

The Children of Húrin - J. R. R. Tolkien

The Last Kingdom - Bernard Cornwell

Um Estranho num Terra Estranha - Robert A. Heinlein

Young Samurai: The Way of the Warrior - Chirs Bradford

Zen e a Arte do Tiro com Arco - Eugen Herriger

6 de agosto de 2008
Onde é que foi mesmo?
De volta da comitiva japonesa que teve a bondade de nos visitar, um dos pontos de turismo quase obrigatórios foi o Cristo Rei.

Lá subimos os oitenta e qualquer coisa metros do elevador.

Quando lá chegamos acima a vista é realmente muito bonita, mas não é por isso que escrevo.

É que no meio de todos os "recuerdos" disponíveis na loja encontrei um que me fez lembrar que isto da Igreja afinal é mesmo um negócio.

Não é que lá vendem uma série de coisas com a inscrição "Em Fátima rezei por ti"? Primeiro até pensei que fosse para os coitados que estiveram em Fátima e se esqueceram de algum familiar, mas depressa me passou.

Cambada de chupistas! E cambada de aldrabões os que lá compram essas tralhas...quer dizer, eu agora sempre que receber uma plaquinha a dizer que rezaram por mim nalgum lado vou sempre ficar desconfiado.
Uma solitariedade de Requiem
Etiquetas:
4 solitariedades alheias:

vita disse...

Mas tu ainda tens quem reze por ti??

Tss tss..

Beijoooooooo

7 de agosto de 2008 às 14:02
Requiem disse...

Isso é secundário! Mas se houver eu vou ficar desconfiado :P

7 de agosto de 2008 às 14:39
Abobrinha disse...

Fátima é o equivalente espacial do Natal: é quando o homem quiser.

10 de agosto de 2008 às 09:01
Requiem disse...

Pois...começo a pensar que sim. Até porque num jantar de aniversário ninguem achou muito estranho.

10 de agosto de 2008 às 13:09
Enviar um comentário

Mensagem mais recente
Mensagem antiga
Página inicial
Subscrever: Enviar comentários (Atom)