Quem sou eu?
A minha fotografia
Requiem

Pessimista e negativo por natureza, cheio de energia e sempre stressado ou a correr de um lado para o outro. Tenho tendencia a tentar fazer tudo o que me interessa, o que me leva a deixar muitas coisas a meio. Apaixonado pelo Japao e tudo o que com ele esta relacionado.

Ver o meu perfil completo
Etiquetas
Avulso (232)
Blogs (53)
Google (12)
Leituras (28)
MP3 (38)
Parvoeiras (307)
Pensamentos (122)
Refilanços (139)
Solitariedades passadas
Free Twitter buttons from languageisavirus.com


Stalkers

A ler
A ler
Na lista de espera
A Arte da Guerra - Sun Tzu

A Conspiração - Dan Brown

A Fórmula de Deus - José Rodrigues dos Santos

A Rapariga que Inventou um Sonho - Haruki Murakami

A Senhora das Especiarias - Chitra Beneju Divakaruni

A Vida de Pi - Yann Martel

Eclipse - Stephenie Meyer

Fernão Mendes Pinto no Japão - Wenceslau de Moraes

Geisha - Liza Dalby

Kimono - Liza Dalby

O Culto do Chá - Wenceslau de Moraes

O Código D'Avintes - Vários Autores

O Direito a Ser Canhoto - Manuel Coelho dos Santos

O Disco de Jade/Os Cavalos Celestes - José Frèches

O Nome da Rosa - Umberto Eco

O Principezinho - Antoine de Saint-Exupéry

O Zen na Arte de Conduzir a Espada - Reinhard Kammer

Olhos Azuis - Jermos Charyn

Sandworms of Dune - Brian Herbert, Kevin J. Anderson

Selected Tales - Edgar Allan Poe

Spirits of the Dead: Tales and Poems - Edgar Allan Poe

The Children of Húrin - J. R. R. Tolkien

The Last Kingdom - Bernard Cornwell

Um Estranho num Terra Estranha - Robert A. Heinlein

Young Samurai: The Way of the Warrior - Chirs Bradford

Zen e a Arte do Tiro com Arco - Eugen Herriger

11 de novembro de 2008
WWI


Segundo este site:
At the 11th hour on the 11th day of the 11th month of 1918, the Great War ends. At 5 a.m. that morning, Germany, bereft of manpower and supplies and faced with imminent invasion, signed an armistice agreement with the Allies in a railroad car outside Compiégne, France. The First World War left nine million soldiers dead and 21 million wounded, with Germany, Russia, Austria-Hungary, France, and Great Britain each losing nearly a million or more lives. In addition, at least five million civilians died from disease, starvation, or exposure.

Seria de esperar que tivessemos aprendido a lição, não?

A ouvir: Ministry - Hizbollah

Visita também o meu outro estaminé.
Uma solitariedade de Requiem
Etiquetas:
23 solitariedades alheias:

mik@ disse...

as histórias repetem-se sempre....
plo bem e plo mal.

11 de novembro de 2008 às 12:58
Requiem disse...

Sempre se disse que quem esquece a sua história está condenado a repeti-la...

11 de novembro de 2008 às 12:59
PAULO LONTRO disse...

E é o que tem acontecido... e vai continuar a acontecer.
O poder cega!

11 de novembro de 2008 às 13:07
mik@ disse...

deviam inventar um soro da lembrança pra fazer pandam como o soro da verdade....
mas tambem podem comprar oculos e ler uns livros de historia...

11 de novembro de 2008 às 13:42
NI disse...

A memória é curta, a ambição é desmedida e o poder corrompe.

Tão simples quanto isto.

11 de novembro de 2008 às 14:23
Requiem disse...

Paulo: Concordo plenamente...

Mik@: Isso é que era...

NI: Infelizmente é assim tão simples mesmo...

11 de novembro de 2008 às 14:27
Djinn disse...

Já Maquiavel no seu tempo escreveu uma obra chamada o «Princípe» cujo objectivo era dotar os governantes de ferramentas que permitissem que Florença não cometesse os mesmos erros de estratégia e política que levaram à «queda» do Império Romano...isto no séc. XVI, para bom entendedor...

11 de novembro de 2008 às 16:32
Requiem disse...

Pois, mas infelizmente não resultou, nem na altura nem agora...

11 de novembro de 2008 às 16:33
Djinn disse...

Por acaso muitas das máximas que foram escritas sobre a teoria política ainda hoje são aplicadas, nomeadamente a não utilização de mercenários em exércitos regulares no que concerne a contenção de golpes militares mas muito mudou à conta dessa obra. Não acredito na possibilidade de total inexistência de conflitos bélicos, do mesmo modo que jamais deixarão de existir prostitutas!

11 de novembro de 2008 às 16:47
Requiem disse...

Se formos por aí já no séc I A.C. um senhor (Sun Tzu) escreveu um tratado sobre a guerra que ainda hoje é válido.

O que não valida a guerra per se.

11 de novembro de 2008 às 16:51
Djinn disse...

A guerra faz parte quer queiramos quer não do contexto antropológico humano, do mesmo modo que a religião e outros factores que por muito que queiramos jamais se extinguirão na totalidade, poderão assumir cambiantes, poderão ser em maior ou menor número, mas a total extinção é muito pouco provável que mais não seja porque de todo não convém economicamente...

Ps. Um tratado sobre estratégia militar não é um tratado de teoria política...

11 de novembro de 2008 às 17:04
Requiem disse...

E eu percebo lá alguma coisa disso? Tava só a tentar dar uma de inteligente...

11 de novembro de 2008 às 17:41
Djinn disse...

Sabes perfeitamente q és inteligente n precisas de tentar!

11 de novembro de 2008 às 18:59
aoutrarua@gmail.com disse...

Hum... Aprender a lição não aprendemos, mas gosto de pensar que serviu para alguma coisa... como seria o mundo agora se não tivesse acontecido?

11 de novembro de 2008 às 23:10
Requiem disse...

Essa do como seria se não tivesse acontecido é sempre complicado de responder... :)

11 de novembro de 2008 às 23:16
aoutrarua@gmail.com disse...

Vantagens de quem opta por deixar acontecer...
Mas acho mesmo que o mundo seria um lugar pior agora, porque ainda tínhamos tudo para aprender... Assim já só temos muito :-P

11 de novembro de 2008 às 23:52
Requiem disse...

Temos sempre muito para aprender, a questão é se queremos ou não aprender...

11 de novembro de 2008 às 23:53
aoutrarua@gmail.com disse...

E alguém no seu perfeito juízo não quer aprender? Pronto, ok, eu sou uma optimista com fé no mundo :-P

11 de novembro de 2008 às 23:58
Requiem disse...

Pois..realmente tambem não sei quem não gostaria...

12 de novembro de 2008 às 00:27
Djinn disse...

Só se aprende quando de facto se está interessado na aprendizagem porque se não for o caso, bem se pode estar a martelar na mesma tecla toda a vida, nada muda!

13 de novembro de 2008 às 15:36
Requiem disse...

Pronto...isto acaba sempre por descambar na filosofia...assim não se pode!

13 de novembro de 2008 às 15:46
Djinn disse...

Pois...não é para quem quer! É para quem pode! ah ah ah

14 de novembro de 2008 às 12:54
Requiem disse...

Nem mais :) :) :) :)

14 de novembro de 2008 às 14:45
Enviar um comentário

Mensagem mais recente
Mensagem antiga
Página inicial
Subscrever: Enviar comentários (Atom)